The news is by your side.

‘Se a gente não imaginar, como vai construir?’

7


Criado em bairros marginalizados de Fortaleza, Don L é um revolucionário. Com seus discos, a trilogia “Roteiro Para Aïnouz”, o rapper cearense se desprende do passado colonial e reconta a história brasileira apresentando um novo futuro, possível e coletivo. “Tudo começa quando a gente sai de um estado de não conseguir mais imaginar um mundo novo possível”, ele disse. “Se a gente não conseguir nem imaginar, como que a gente vai construir?”.

Para Don, arte e política são indissociáveis, especialmente no rap. A questão, ele aponta, é se o artista escolhe trabalhar isso de maneira consciente ou não. Por escolher ser consciente sobre o que representa politicamente, Don L é o segundo entrevistado do PPRT, série de conversas sobre política, cidadania e arte do Intercept.

Em um papo sobre desmonte das instituições brasileiras, avanço da extrema-direita, mito da democracia racial, a possibilidade de um novo governo Lula e a necessidade de organização popular contra as limitações da democracia burguesa, Don explica seu papel de “o terror dos Bandeirantes” – uma alegoria construída em “Vila Rica”, segunda faixa de seu último disco.

As entrevistas do PPRT serão publicadas ao longo do mês de setembro, sempre às quintas-feiras.

Source link
Press releases from EIN Presswire is not owned by The Madras Tribune.

Advertisement - Ini Thani

Leave A Reply

Your email address will not be published.